sábado, fevereiro 25

Resposta Experimental e Empírica à pergunta do Dramaturgo

Kagyn e a todos interessados nesta tal pergunta:

Estava eu em pleno feriado de carnaval, 10 da manhã... lendo Peter Brook "Ponto de Mudança" e me deparei com isso:

(...) é necessário que tudo nele [ o dramaturgo ] - suas técnicas, suas associassões, os segredos mais profundos do seu sobconsciente - esteja virtualmente pronto para ser mobilizado, em ordem rítmica, para atuar como mensageiro, as palavras dele são mensageiras. É assim que a significação cai na rede. As palavras escritas no papel são a rede. (...) É através de uma rigorosa eliminação de todos os ornamentos desnecessários, de todas as inúteis expressões de personalidade, que ele alcança uma forma que é própria, e não é sua."

Bem, minhas conclusões sobre esse pequeno trecho são ainda prematuras mas vale um linha:
Ao dramaturgo cabe o poder de síntese. Transformar mitos e arquétipos ( que não pertencem apenas a ele ) em figuras sintéticas da existência.

1 Comments:

At 7:11 AM, Blogger Johnny Kagyn said...

Síntese é de certa forma a busca de todas as artes não? Da literatura, das artes plásticas, da música... Sim, o dramaturgo é o responsável pela "rede de significação", mas levando isso para um plano profundo, que resposta obtemos sobre o que é ser dramaturgo? E indo um pouco mais além, sobre o porque é...?

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home


Web Site Counter